Pousos e Bajouca consolidam geminação

Na passada segunda-feira quase meia centena de pousenses estiveram na igreja paroquial da Bajouca, respondendo ao convite que nos foi endereçado a propósito da geminação das nossas duas paróquias que a Festa da Fé promoveu. Nos dias anteriores, por muitas mensagens que foram chegando, pudemos sentir o pulsar daquelas gentes, que se empenharam em cada gesto e em cada pormenor. E não nos enganámos. Na tarde do dia 13 fomos recebidos com esmero; o padre Davide presidiu ao acolhimento, feliz por rever tantos amigos que o abraçavam, e com quem partilhou, quiçá, os melhores dos seus anos.

A nós juntou-se o Pe. Melquíades, natural e residente na Bajouca.

Claro que o programa foi diversos, mas na Eucaristia foi sobremaneira cuidado. O pároco dos Pousos presidiu à celebração e teve ocasião de caraterizar a nossa paróquia junto da comunidade da Bajouca; as igrejas foram trocadas, na presença dos seus escultores. Uma invocação histórica caraterizou a paróquia e a freguesia nascida há quase meio século e revelou-nos imensas pessoas e factos comuns, para lá do que esperaríamos.

Agradecemos entusiasmados este primeiro encontro; e saudamos os tremoços e pevides que nos foram oferecidos, como gesto particularmente afável entre comunidades que se querem aproximadas cada vez mais!

Da nossa parte ficou o convite para sermos visitados pelas boas gentes da Bajouca na nossa festa de outubro.

E iremos trocando boletins paroquiais, desde já.

Escreveu o Arménio no seu Facebook:

“Na noite do dia 13 de agosto foi oficializada a geminação das paróquias dos Pousos e da Bajouca. Numa celebração presidida pelo pároco dos Pousos. Pe. Luís Morouço, onde estavam muitas pessoas dos pousos e da Bajouca, houve tempo para celebrar refletir e recordar.

Entre as muitas coisas que nos disse o P. Luís Morouço falou sobre os “mistérios” dos padroeiros dos Pousos, Nossa Senhora do desterro e o Senhor dos aflitos, e sobre Santo Aleixo, padroeiro da Bajouca.

Muito haverá a dizer sobre este acontecimento marcante para as duas paróquias e que são os primeiros frutos da “Festa da Fé”.

O Convívio continuou no restaurante das festas de Santo Aleixo, tendo como aperitivo: “pevides e tremoços”, já que no inicio da celebração o Pe. Luís questionou que não sabia muito bem o que havia para geminar…mas, pevides e tremoços há sempre em qualquer festa…quando chegou à mesa, lá os tinha.

Aqui ficam alguns rostos e imagens dos muitos protagonistas desta história que agora começa e que certamente vai ter um final feliz”.